Uma via de mão dupla

O  Enade  é o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes realizado pelo MEC no dia 25 de Novembro de 2018 e tem como objetivo avaliar o desempenho dos estudantes com relação aos conteúdos programáticos previstos nas diretrizes curriculares dos cursos de graduação, o desenvolvimento das competências e habilidades necessárias ao aprofundamento da formação geral e profissional e o nível de atualização dos estudantes com relação à realidade brasileira e mundial. O exame é obrigatório e a situação da regularidade do estudante no exame deve constar em seu histórico escolar.

Neste processo temos duas partes interessadas em obter um bom resultado: a instituição de ensino e o aluno concluinte. A instituição é avaliada pelas Comissões do MEC in loco, e indiretamente pelo desempenho obtido pelo estudante eleito para realizar o exame. Ela oferta uma matriz curricular com base na diretriz curricular do curso, um modelo de ensino capaz de integrar a formação humana, de mercado e profissional que atenda as realidades acima descritas. Adota mecanismos de avaliação interna que permite subsidiá-la de informações em prol de melhorias, e assim encaminha esses resultados e as ações em forma de Relatório de Auto Avaliação ao MEC anualmente, ou seja, ela está sempre sendo monitorada pela qualidade na entrega do ensino que propõe. Os desafios que permeiam o ambiente educacional são inúmeros, dentre eles a cultura de que o processo de Avaliação não é uma punição, e sim um momento de reflexão pela oportunidade que é dada a ambas as partes de mostrarem que caminharam juntas na jornada do ensino/aprendizagem. A instituição pela missão que propõe e o aluno o conhecimento adquirido pela receptividade, a importância, o comprometimento dado durante a trajetória acadêmica.

Esse vínculo, essa cumplicidade entre a instituição e o aluno escolhido para representar seu curso e seus colegas que vão permanecer e que irão ingressar é permanente. Pois, lá no seu histórico escolar e certificado estarão o nome e resultado de ambos. Por fim, não subestimando o mercado de trabalho que com certeza irá analisar e avaliar a sua trajetória acadêmica.

Encerro esta reflexão convicta de que processos de avaliação são norteadores e que esse momento é de validar a jornada do ensino e da aprendizagem e selar este vínculo motivado para o melhor resultado, pois será duradouro.

BOA PROVA!!!

Ana Cláudia P. S. Guedes: Coordenadora da Qualidade do Ensino e Aprendizagem da Faculdade Cambury