Princípios do Design

Ritmo – É a forma como você faz o olhar “andar” por um ambiente. Seu olhar pode pular de um lado para outro, ir devagar a partir de um ponto e seguir tranquilamente por toda volta, subir e descer continuamente, tudo isso atraído pela forma como vc distribui e também repete (por isso ritmo está muito ligado à REPETIÇÃO)  cores, linhas, curvas – formas enfim – e objetos.

Harmonia – As formas, texturas, cores, iluminação, distribuição, materiais, etc devem se relacionar e nunca brigar entre si. Além disso, o bom uso de todos os demais princípios dá a sensação de um ambiente harmônico.

Ritmo nas formas circulares que se repetem em diversos itens – fazendo o olhar andar “circularmente” acompanhando estas formas –  e harmonia entre os elementos – no jogo de cores contrastantes e análogas, distribuídas pela sala inteira e relacionando-se umas com as outras – rosa e verde, vermelho e amarelo; no uso de materiais relacionados tbém uns aos outros – madeira branca na mesa e bancos, metal nos vasos, palha na almofada e suportes da mesa, etc, etc.

Equilíbrio – Que pode ser simétrico (quando vc tem, por exemplo, uma sala que, dividindo-a visualmente no meio,  os objetos de um lado se repetem no outro), assimétrico (quando não há simetria)  ou radial (circular, quando há como um movimento que vai ou vem de um ponto central)

Unidade– É importante que haja uma sensação de continuidade, um caráter, em todos os ambientes. Isso se consegue repetindo de forma variada os mesmos elementos (que podem ser cores, formas, texturas, etc) em todos os ambientes ou em um só ambiente.

Equilíbrio assimétrico (considere uma linha vertical no meio do sofá: os 2 lados estão equilibrados, mas são diferentes). A unidade é conseguida com a repetição dos azuis beges e cinzas, as linhas semelhantes dos sofás, os diversos vasos transparentes, as flores brancas, etc.

Contraste – Elementos contrastantes quando juntos, são enriquecidos. Por exemplo: Sofá  liso junto com almofadas texturizadas, Moldura clara em parede escura, etc. Se não houver algum contraste, a decoração fica enfadonha.

Centros de interesse – Não pode haver competição entre os elementos, por isso devem haver os que  sobressaem, devido a forma, iluminação,tamanho, etc. , atraindo nossa atenção.

Variedade – De formas, texturas, cor, etc. para não termos um ambiente monótono.

Contraste amarelo/azul, tornando o sofá o centro de interesse da sala, que apresenta  boa variedade de formas e texturas

Escala – Podemos dizer que grandes móveis estão “em escala” em grandes espaços. Pequenos móveis estão “em escala” em pequenos espaços. Na verdade, falamos de proporção. Escala mesmo é a comparação entre a medida de uma representação e a medida real do que está sendo representado. Por exemplo: Uma miniatura de uma cadeira tem uma escala reduzida desta cadeira.

Proporção – É a relação entre 2 razões (medidas, áreas, espaços). Podemos trabalhar com ela para enfatizar ou diminuir uma característica de um espaço, por exemplo: Pés direitos altos demais podem ser visualmente diminuídos com cor escura no teto; Cores mais escuras ou mais claras nas paredes ou em  algumas paredes de um aposento modificam a percepção da proporção entre largura e comprimento deste. Todos os elementos devem formar uma composição agradável; deve-se avaliar a relação dos móveis entre si, com o tamanho , o pé direito e objetos do ambiente. Também podemos “brincar” com a proporção e escala para dar interesse. Um bom exemplo é uma sala com todos os móveis proporcionais e uma luminária muito grande (desde que isso não atrapalhe a funcionalidade, a circulação ou iluminação).

Exemplos:

A sala ao lado usa fortemente arepetição de linhas horizontais, criando um ritmo que  diminui a força visual das colunas verticais das janelas, apesar da mobília baixa que permite total visualização do exterior. As cores usadas são harmoniosas, e criam uma atmosfera de tranquilidade que as linhas horizontais favorecem. Oequilíbrio é assimétrico (o abajur comprido e os puffs “pesam”  o lado direito, equilibrando-o com o esquerdo que tem as barras escuras horizontais na parte superior, um forte elemento).  O centro de interesse é o sofá baixo com almofadas em verde forte, para diminuir o interesse das enormes janelas – ele força nosso olhar para baixo. Os elementos sobre a mesa de centro trazem variedade de cores e maior informalidade e interesse ao ambiente. Os móveis são proporcionais ao ambiente em largura, mas desproporcionais em altura para permitir a visão total do exterior. Os objetos sobre a mesa poderiam ser desproporcionais, por serem muito pequenos, mas juntos formam um conjunto, que é compatível com o tamanho da mesa. Um só abajur bem alto é um toque de interesse que se tornaria desproporcional se houvesse outro igual no outro lado do sofá. Os puffs brancos como o chão tem seu peso diminuído – se tivessem cores fortes o equilíbrio estaria arruinado.

 

 

A grande vedete deste ambiente é a brincadeira com as texturas e estampas usando praticamente somente 2 cores. Isso traz variedade, ritmo, harmonia, unidade e contraste, tudo de uma só vez. O centro de interesse  é esta grande luminária que é a única peça que possui os mesmos tons, mas mais vivos e alegres. Novamente, os móveis e objetos são proporcionais ao ambiente.  E apesar das cores “sérias”, a variedade de estampas e materiais, cria um tom informal bastante interessante.

 

Fonte: www.simplesdecoracao.com.br