Entenda como funciona a nota do Enem

A nota de cada área cobrada na prova depende do grau de dificuldade da questão acertada e da consistência geral das respostas. Veja como é calculada a nota:

  1. Montando a régua
1

A nota do Enem é como uma régua, feita para medir o grau do conhecimento dos alunos. É uma régua que só tem 2 parâmetros:

O meio da régua é o número 500.

Esse número corresponde à média de acertos na prova de 2009 dos alunos do 3º ano do ensino médio. O que isso quer dizer? Que, se você tirar 500 em alguma área no próximo Enem, seu desempenho terá sido semelhante ao daqueles alunos de 2009.

Depois coloca-se na régua os intervalos de 100 pontos para baixo (400, 300 …) e para cima (600, 700 …).

Cada 100 pontos correspondem à diferença média – para cima e para baixo – do desempenho dos alunos de 2009 (isso se chama desvio de padrão).

Uma vez feita a régua, a nota pode variar em diferenças ínfimas, como 500,1 ou 489,3.

Como o desempenho médio dos alunos foi medido por área – Matemática, Ciências Humanas, Linguagens e Códigos e Ciências da Natureza -, cada uma tem sua régua.

  1. Como funciona a régua
2

Na régua são colocadas todas as questões, por seu grau de dificuldade. Assim, cada questão ocupa um lugar nela.

As mais fáceis ficam para baixo de 500; as médias, por volta de 500; as mais difíceis, para cima: 600, 700, 800. Durante a prova, as respostas às questões vão definindo o grau de conhecimento de cada aluno.

Por exemplo, de um aluno com grau de conhecimento 600 em Matemática, espera-se que acerte as questões abaixo de 600 e erre as que estão acima de 600.

  1. A elaboração da prova

Para montar a prova, o MEC seleciona o conjunto das 45 questões de cada área. Elas têm de medir o domínio das competências, habilidades e conteúdos previstos na matriz de referência do Enem e são compostas equilibrando o grau de dificuldade das questões – fáceis, médias e difíceis. A régua, o pré-teste e o cálculo final da nota são feitos por um método chamado TRI (Teoria da Resposta ao Item).

Pré-teste: Para que cada questão seja colocada na régua, ela passa por um pré-teste antes do Enem, organizado pelo MEC. Participam escolas em todo o Brasil. Cada aluno participante do pré-teste recebe um caderno com 48 questões. Assim, são testados milhares de questões que vão integrar o banco de dados do MEC. Do conjunto de questões do banco, saem as 180 que vão compor o Enem.

Como se atribui a posição da questão Enem na régua?

Cada questão é submetida ao pré-teste de milhares de alunos. A tabulação de seus resultados quantifica três pontos essenciais de cada questão para garantir um exame de boa qualidade:

a) Parâmetro de discriminação

É a capacidade da questão de diferenciar os alunos em relação à dificuldade da questão. Alguns erram e outros acertam. Se o acerto e o erro são aleatórios, ou todos acertam, a questão não consegue dar informações sobre os alunos e tem de ser refeita.

b) Parâmetro de dificuldade

É o parâmetro que determina a posição da questão na régua. Para que seja possível distinguir um aluno de pouco conhecimento de outro mais bem preparado, o Enem precisa ter perguntas com níveis de dificuldade diferentes.

c) Parâmetro de casualidade

Mede qual é a probabilidade de a questão ser acertada por acaso. Esse parâmetro parte da ideia de que, quanto maior é a proficiência (conhecimento) do aluno, maior a probabilidade de acerto sem chute. Mas, se seu conhecimento é pequeno e a questão é difícil, o parâmetro indica alta probabilidade se o acerto ter sido por acaso.

  1. Cálculo das notas
calculo-das-notas

Na nota final, calculada por computador, o Enem considera a consistência das respostas. Dois alunos com cinco questões certas em Matemática, por exemplo, podem ter notas diferentes. O que acertou as cinco mais fáceis terá uma nota maior, pois seu desempenho é coerente. O outro, que errou questões fáceis e acertou outras difíceis, terá a sua nota reduzida pelo cálculo da casualidade, ou seja, como sua proficiência foi pequena (cinco questões em 45) , a TRI entenderá o acerto nas questões difíceis como “chute” e reduzirá o valor do item certo.

  1. Notas gerais
notas-gerais

A prova do Enem fornece cinco notas, uma para cada área de conhecimento – Ciências da Natureza, Ciências Humanas, Linguagens e Códigos e Matemática – e mais uma para a redação. Para o cálculo das notas das quatro áreas é usada a metodologia TRI. A nota de redação segue o sistema tradicional: a nota varia de 0 a 1000.

 

Fonte: Guia do Estudante