3 dicas para desligar sem traumatizar

“Muitos homens devem a grandeza da sua vida aos obstáculos que tiveram que vencer”. (Spurgeon)

A demissão é um dos momentos mais delicados e temidos nas relações de trabalho. Não é difícil só para o colaborador, o gestor de Recursos Humanos também sofre ao ter que lidar com essa atribuição. É um momento em que os sentimentos ficam à flor da pele para ambos os lados, mas é preciso ter inteligência emocional para evitar transtornos. Um processo de desligamento mal resolvido termina com mágoas mútuas e as consequências, claro, são ruins.

Por mais chata que a ocasião seja, é possível encerrar a relação de trabalho de modo humano e respeitoso.

Discurso

Faça um discurso racional expondo o motivo da demissão e não se esquive da responsabilidade. Frases como “eu não queria, mas cumpro ordens” ou “fui voto vencido” evidenciam fraqueza e expõem a empresa. Contextualize a situação e comunique o desligamento.

Hora certa

Comunique o desligamento no início do dia, entre segunda e quarta-feira. Desligar na sexta no fim do expediente é ruim porque a pessoa fica o fim de semana só pensando nisso. Também não é adequado deixar esse momento para o dia em que a pessoa volta de férias.

Sigilo

A equipe ou outras pessoas não devem saber da demissão antes do que a própria pessoa.

Fonte: administradores.com.br

Conheça o programa exclusivo da Cambury EPD – Estude agora e pague depois, Clique no banner