Mitos e Verdades sobre o câncer de mama #OutubroRosa

outubro-rosa

07 out Mitos e Verdades sobre o câncer de mama #OutubroRosa

O câncer de mama é o tipo de câncer mais frequente no mundo e o tipo que mais mata mulheres no Brasil. As estimativas mostram que, a cada ano, no nosso país, o número de casos de câncer de mama cresce 2%. Ao todo, surgem 57 mil novos casos da doença por ano.

Apesar dos números expressivos, ainda existe muita desinformação sobre o tema. Muitas mulheres ainda acham desnecessária a realização frequente dos exames, e muitas outras ainda desconhecem os sintomas da doença.  Pensando nisso, reunimos os mitos e verdades mais comuns sobre o câncer de mama:

1 A mamografia é apenas para mulheres idosas

MITO – Todas as mulheres devem realizar o exame de mamografia a partir dos 40 anos de idade – isso está garantido por lei, aliás. Mas, as mulheres que têm histórico familiar de câncer de mama devem fazer esse exame a partir dos 25 anos de idade.

2 Amamentação reduz o risco de câncer de mama

VERDADE – O aleitamento materno, principalmente se for continuado por mais de um ano, pode reduzir significativamente o risco de câncer de mama nas mulheres. De acordo com o oncologista Dr. Sérgio Simon, a razão não é conhecida, acredita-se que essa redução ocorra devido à interrupção do ciclo menstrual feminino.

3 O autoexame não deve ser feito durante a menstruação

VERDADE – Quando a mulher está menstruada, os seios ficam mais enrijecidos, inchados, e isso pode dificultar o reconhecimento de anormalidades. O ideal é realizar o autoexame uma vez por mês, após a menstruação, e as mulheres que não menstruam mais devem fazer o autoexame no mesmo dia de cada mês.

4 Desodorante antitranspirante causa câncer de mama

MITO – Essa afirmação não possui comprovações científicas. Diversos estudos já foram realizados, mas nenhum conseguiu estabelecer uma relação entre os sais de alumínio liberados pelos antitranspirantes com o câncer de mama. O desodorante pode obstruir as glândulas sudoríparas e levar a algum tipo de infecção, mas não aumenta os riscos de câncer de mama.

5 Não ter filhos é um fator de risco

VERDADE – Mulheres acima dos 40 anos que não tiveram filhos possuem um risco de câncer de mama 30% maior que mulheres com filhos. Ter filhos antes dos 30 anos diminui ainda mais a possibilidade de desenvolver a doença. O motivo é o mesmo da amamentação: a interrupção dos ciclos menstruais, nos quais a mulher é exposta às variações hormonais.

6 Alterações na mamografia indicam câncer

MITO – A mamografia mostra cistos, nódulos e calcificações, mas não necessariamente essas alterações indicam câncer de mama. Em todos os casos, o mastologista é o profissional correto para dizer o que deve ser feito.

7 Homens não podem ter câncer de mama

MITO – Apesar de não ser frequente, os homens também podem desenvolver a doença e devem realizar o autoexame. De maneira geral, os riscos relacionados ao câncer de mama devem-se ao aumento de estrogênio, hormônio feminino responsável pelo desenvolvimento da mama. Sedentarismo, alcoolismo, uso de anabolizantes, doenças hepáticas, histórico familiar, entre outros fatores, podem levar ao aumento de estrogênio no corpo.

Previna-se  #OutubroRosa

O mês de outubro foi escolhido para o movimento de conscientização sobre o câncer da mama, o Outubro Rosa, que tem como principal objetivo divulgar a importância da prevenção e do diagnóstico precoce. Este movimento é internacional, teve o seu início nos Estados Unidos, em 1990, e hoje é aderido por diversos países, inclusive o Brasil, que ilumina de rosa monumentos importantes, como o Cristo Redentor.

Aproveite o Outubro Rosa para ajudar na conscientização sobre o câncer de mama e, se você ainda não realiza o autoexame, adquira este hábito. Avalie o tamanho, o formato, a cor das mamas e veja se há saliências, caroços, inchaços, rugosidades ou diferença entre o tamanho das mamas. Caso encontre qualquer alteração ou sinta dor, procure um mastologista. Se diagnosticado no início, o câncer de mama tem até 95% de chances de cura.

Gostou desse texto? Então, curta a nossa página no facebook e acesse nossos conteúdos!

Link para entrevista com o Dr. Sérgio Simon